Inquietações Pedagógicas

"Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso…"  Jorge de Sena in Metamorfoses

19.7.06
 
A ESCOLA FAZ-SE COM PESSOAS
É este o título do livro do Pascal Paulus, uma edição recentíssima da profedições, com prefácio de Rui Canário. É um livro dedicado "às meninas e aos meninos a quem se nega a democracia e os direitos de cidadania, dentro e fora da escola". Começa por ser uma biografia : o Pascal Paulus fala-nos da sua infância e da sua família na Bélgica, dos "momentos que o marcaram", do seu "período português". Depois é um diário, um diário das suas aulas, um "diário de bordo" escrito "durante o primeiro ano de trabalho na Outurela e Portela" (1999 - 2000). Segue-se uma reflexão crítica e uma proposta : "Uma outra educação é possível" !

Como diz Rui Canário : "Os professores falam e escrevem pouco. Este livro é um contributo importante para conhecer a nossa realidade escolar e compreender o que pode ser o exercício competente e rigoroso do ofício de professor".

Maria Emília Brederode Santos

Comments:
Retirado do site da Sociedade Portuguesa de Química - www.spq.pt

ESTE É O ESTADO DA EDUCAÇÃO EM PORTUGAL

"Desabafo de uma Professora sobre a prova de Química - Novo Programa - 12º ano"

À Sociedade Portuguesa de Química

Leccionei durante o ano lectivo que está a findar a disciplina de Química do 12º ano. Aos alunos do “ano de ninguém”. Não pertenceram à nova reforma nem à antiga. Foram sujeitos a um exame novo, de que pouco ou nada sabiam, enquanto os seus colegas “repetentes” realizaram uma prova da qual tinham um número incontável de provas modelo. Vão agora a concorrer a par ao ensino superior em manifesta desigualdade.

Fui coadjuvante da prova do exame 642 e fui correctora da mesma prova. Não posso ficar calada perante o desastre que foi esta prova. Uma prova mal elaborada, que pouco avalia, que tem perguntas cuja resposta ainda hoje não entendo e que, além de prejudicar uns milhares de alunos, desanimou todos os professores que trabalharam muito para dar um programa novo sobre conteúdos que desconheciam em absoluto.

Para quem acompanhou o fórum onde os professores que leccionaram a disciplina questionaram as autoras do programa, foi fácil ver as dificuldades que todos sentiram. Quatro manuais fracos, a focarem os tópicos com perspectivas a aprofundamentos diferentes, era o nosso ponto de partida.

Em meu entender, uma pergunta que é elaborada para uma prova de avaliação, seja ela qual for, tem que pretender avaliar algo. Nesta prova há várias perguntas onde eu não vejo o que se pretende avaliar ou o interesse do que julgo pretender avaliar-se.

Grupo I

Questão 5 – Para avaliar conhecimentos de oxidação-redução podem elaborar-se centenas de situações sem necessidade de recorrer um caso tão rebuscado, cujo grau de dificuldade ultrapassa em muito o que foi apresentado nos manuais e livros de apoio aprovados, incluindo o manual das autoras de um programa novo, já de si vago. Não avalia, com justiça e a meu ver, conhecimentos sobre oxidação redução.

Grupo II

Questão 2.2 – Para quê utilizar uma fórmula química com coeficientes estequiométricos de 0,08 e 0,06 quando se pretende que os alunos realizem um cálculo estequiométrico? Por que não aparece em qualquer manual nada do género?

Questão 3

Na questão 3.1, ainda hoje não sei o porquê da resposta considerada certa. Nem eu nem ninguém que eu conheça. Os professores supervisores, que reuniram em Lisboa com a “porta-voz” da equipa que elaborou a prova, perguntaram por que é que aquela era a resposta certa. Foi-lhes dito apenas que não as autoras da prova não respondiam porque os professores tinham obrigação de saber. O único comentário que me ocorre é “inaceitável”.


QUANTOS ALUNOS FICARÃO FORA DO ENSINO SUPERIOR, GRAÇAS A ESTA INCOMPETÊNCIA E À PERTURBAÇÃO CONSEQUENTE ?????

QUANTO DISPENDERAM OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO PARA "NADA" ????
 
I have been looking for sites like this for a long time. Thank you! »
 
Enviar um comentário

<< Home